Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

logo educsentimentos

Educando sentimentos e emoções
Editor: Celso da Costa Frauches – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Ano 1 ▪ Nº 1 ▪ De 1º a 6 de janeiro de 2018

Este é um espaço virtual para mensagens destinadas à educação dos sentimentos e emoções do Espírito, ser imortal, criado à imagem e semelhança de Deus – “inteligência suprema, causa de todas as coisas”..

Aos dores e os prazeres da Alma

Médium: Francisco do Espírito Santo Neto

Espírito: Hammed

 1edi img01   Estamos iniciando a publicação de um novo blog semanal: Educando sentimentos e emoções, a missão da Universidade do Espírito − http://www.universidadedoespirito.org/, inicialmente, com mensagens extraídas de duas joias da literatura espírita: Os prazeres da Alma (Catanduva, SP: Boa Nova, 2003) e As dores da Alma (Catanduva, SP: Boa Nova, 1998), livros ditados pelo Espírito Hammed e psicografados por Francisco do Espírito Santo Neto.
À esquerda e ao alto a foto do médium Francisco do Espírito Santo Neto e a reprodução artística do rosto do Espírito Hammed, obra do pintor catanduvense Morgilli, que o retratou em 1988, com a personalidade de uma de suas encarnações na Índia antiga, conforme informações do médium. Abaixo, a reprodução da capa desses dois livros, publicados pela Editora Boa Nova, de Catanduva, SP.  
1edi livro  
   

O médium Francisco do Espírito Santo Neto nasceu em Catanduva (SP), filho de Zenaide Hernandes do Espírito Santo e Antonio do Espírito Santo. Dirige a Sociedade Espírita Boa Nova, desde a sua fundação, há mais de 25 anos, que mantem em regular funcionamento a Creche Boa Nova, o Lar da Esperança e a Boa Nova Editora e Distribuidora de Livros Espíritas. É diplomado em Administração de Empresas e possui formação em Programação Neurolinguística. O Espírito que orienta o médium nessa jornada identifica-se como Hammed. Francisco do Espírito Santo Neto psicografou e editou os seguintes livros, com mais de um milhão de exemplares vendidos

⦁ A busca do melhor (Hammed).
⦁ A Imensidão dos sentidos (Hammed).
⦁ Águas da fonte (Hammed).
⦁ Além do horizonte (Hammed).
⦁ As dores da alma (Hammed).
⦁ Conviver e melhorar (Lourdes Catherine e Batuíra).
⦁ Espelho d’água (Hammed).
⦁ Estamos prontos (Hammed).
⦁ Folhas de outono (Hammed).
⦁ La Fontaine e o comportamento Humano (Hammed).
⦁ Lucidez − a luz que acende na alma (Hammed).
⦁ Orvalho da manhã (Lourdes Catherine e Batuíra).
⦁ Os prazeres da alma (Hammed).
⦁ Renovando atitudes (Hammed).
⦁ Sol do amanhecer (Hammed).
⦁ Um modo de entender – Uma nova forma de viver (Hammed).

Hammed é o pseudônimo adotado pelo mentor espiritual do médium Francisco do Espírito Santo Neto, alegando sentir-se mais livre para desempenhar as atividades espirituais comprometidas com o médium, na atual encarnação deste.
Segundo informa Hammed, ele teve encarnações na Ásia e na Europa, com ênfase em encarnações na Índia e na França do século 17, nesta, como médico e religioso, tendo participado do movimento jansenista.
Em 1972, apresentou-se, pela primeira vez, ao médium. Revelou, nesse encontro, os vínculos espirituais existentes entre ambos, decorrentes das diversas experiências que viveram juntos nos muitos séculos das eras passadas, tendo eles convivido, antes da Era Cristã, várias vezes no Oriente, especificamente na milenar Índia.
Francisco do Espírito Santo Neto diz que, em seus encontros com Hammed, durante o sono, conseguiu guardar o semblante sereno e firme de seu mentor espiritual. Com suas informações, o pintor Morgilli, também de Catanduva (SP), produziu a pintura do rosto de Hammed na tela, em 1988.
As mensagens de Hammed estão dedicadas, na sua quase totalidade, a temas educacionais dos sentimentos e emoções, a missão mais relevante do Espiritismo neste século de transição planetária, para o ingresso em uma nova era, a de renovação e progresso de nossa humanidade.

As dores da Alma

Nesse livro, Hammed faz estudos e reflexões sobre os ensinamentos de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, o primeiro livro da Codificação Espírita. Nessa obra, encontra “verdadeiros tratados de sociologia, de psicoterapia, de pedagogia, de saúde mental e outras tantas ciências, que são valiosos recursos para desenvolvermos a capacidade de pensar, de escolher, de tomar decisões e para nos tomarmos cada vez mais conscientes em todas as circunstâncias da vida”.
Hammed informa que não tem a “pretensão de inovar as diretrizes espíritas, mas sim o propósito sincero de reafirmar-lhes os sublimes conceitos que, em realidade, são os grandes estimuladores da mente humana à sementeira de uma vida nova”.
Confessa Hammed estar ciente de que integra uma “falange de espíritos ainda em evolução nas atmosferas intelectuais da Terra, tão sujeitos a enganos como qualquer outro”. Diz que tem consciência de ser uma das almas “que leva ao alto o archote iluminado que Jesus Cristo, por compaixão, nos concedeu a graça de carregar, para que iluminássemos a nós mesmos, em primeiro lugar, a fim de que conhecêssemos as nossas faltas e, ao superá-las, realizássemos serviço do autodescobrimento”.
Em As dores da Alma, Hammed desenvolve estudos e reflexões sobre os “sete pecados capitais”: o orgulho, a preguiça, a raiva, a inveja, a gula, a luxúria e a avareza. “Na atualidade – diz Hammed −, graças a valioso concurso das doutrinas psíquicas, de modo geral, e da psicologia espírita, especificamente, esses ‘pecados’ são considerados mais como desajustes, neuroses ou desequilíbrios íntimos”. E acrescenta: “em verdade os ‘pecadores’ precisam mais de autoanálise, reparação e tratamento do que de condenação, repressão ou castigo”.
Entende Hammed que se deve “discernir esses processos psicológicos em desalinho da psique humana não levá-los a um sacerdote para que os absolva; ou, simplesmente apontá-los como faltas ou erros provocados pela ação dos espíritos infelizes, sem assumir nenhuma responsabilidade”.
As “dores da alma” para Hammed “são fases naturais da evolução terrena, nas quais estagiam todos os seres em crescimento espiritual, aprendendo a usar, convenientemente, seus impulsos inatos ou forças interiores”.
O propósito de Hammed é o de “despertar os interessados para a conquista do autoaperfeiçoamento, através do estudo da vida inconsciente, ‘o além-mar’ de nossa existência de espíritos imortais, fazendo conexões entre os mecanismos e métodos da psicologia e diversas questões do “Livro-luz”.
E conclui Hammed:
“As pessoas, entretanto, tendem a condenar e punir, olvidando-se de que todos somos alunos, não malfeitores, na escola da vida; que as ‘dores da alma’ são as educadoras ou instrutoras particulares que a Harmonia da Vida nos concedeu, para vencermos bloqueios e obstáculos íntimos. Esquecem também de que a Doutrina Espírita reconhece, não exclusivamente, a religião, mas de forma igual a ciência e a filosofia como processos de aprendizagem; em outras palavras, métodos de ensino importantes que utilizamos para conhecer a nós mesmos, as outras criaturas e demais criações do Universo. O Espiritismo sintetiza esses três métodos para que os indivíduos percebam a unidade ou totalidade do conhecimento pleno, e não a dualidade, que nos aprisiona ao mundo conflitante dos opostos”. (Extraído do livro As dores da Alma / ditado pelo Espírito Hammed; [psicografado por] Francisco do Espírito Santo Neto. Catanduva, MG: Boa Nova, 1998, págs. 15-19).

Os prazeres da Alma

Neste livro Hammed alisa “algumas das teorias psicológicas do eminente pesquisador e psicólogo Dr. Carl Gustav Jung sob a ótica dos conceitos espíritas”. Também estuda outras, “utilizando as concepções do budismo”. Mas, na realidade, Hammed se serve, “de modo especial, da psicologia espírita, que está sedimentada na visão cristã e na fé raciocinada e desvinculada de qualquer caráter convencional ou místico”.
Diz que os textos reunidos nesse livro “são produto de nossa experiência de vida, e foram aprimorados de maneira espontânea no decorrer do tempo. Fazem parte do conjunto de bens de nosso diminuto patrimônio de convicções e preceitos”.
Hammed usa como objeto de estudo os potenciais humanos, os quais denomina de “prazeres da alma”: sabedoria, alegria, afetividade, coragem, autoconhecimento, lucidez, compreensão, amor, respeito, liberdade, desapego, compaixão, individualidade, perdão.
Não deseja, contudo, criar "conceitos estáticos e distintos", pois acredita que dar "receitas virtuosas" ou apresentar "cartilhas comportamentais" é “acreditar que há uma só visão de mundo ou uma só descrição correta e exata das coisas, ignorando que as experiências podem complementar as ideias e ampliar as percepções tal como elas são, aqui e agora e a cada momento no futuro”.
“Tudo o que precisamos aprender − diz Hammed − é analisar cada sensação, fato ou acontecimento no instante em que eles surgirem. Jamais definir ou atribuir significados rígidos e taxativos a tudo o que existe. O ‘caminho da multiplicidade’ nos mostra bem como ver e fazer isso”.
Não pretende enaltecer suas concepções, “ou tomá-las como ideias absolutas, mas analisá-las simplesmente como valores relativos”, porque apenas nos pertence “aquilo que provém de nós mesmos”. E acrescenta: “Devemos reaproveitar a realidade dos outros como ‘pontes’, contentando-nos, porém, com nossa própria realidade. Não se pode reter ou guardar nada daquilo que não tenha vindo de nossas vias inspirativas”.
As páginas de Os prazeres da Alma, de acordo com as palavras de Hammed, “podem ser comparadas a uma ‘jangada’ que nos transporta de uma margem para outra do rio. Todavia, quando chegamos ao outro lado, devemos buscar ‘horizontes’ só nossos, e não nos prender obstinadamente ao meio de transporte que nos conduziu. Atingida a outra margem, precisamos ir mais além e não ‘olhar para trás’, mas ‘caminhar despertos e desapegados’, seguindo o próprio ritmo existencial em busca da verdade”.
E conclui Hammed: “Nossa maior fonte de desprazer ou insatisfação é acreditar que os recursos de que necessitamos para bem viver estão fora de nós. Os bens de que precisamos estão dentro de nós, visto que cada ser humano é um ‘livro sagrado’ ou uma ‘biblioteca viva’ de conhecimentos imortais. (Extraído do livro Os prazeres da Alma / ditado pelo Espírito Hammed; [psicografado por] Francisco do Espírito Santo Neto. Catanduva, MG: Boa Nova, 2003, págs. 13-17).

Recomendamos aos que acessem este blog a leitura dessas duas obras primas da literatura espírita, refletindo sobre os ensinos trazidos pelo Espírito Hammed, pela mediunidade abençoada de Francisco do Espírito Santo Neto, nesse processo de educação dos sentimentos e emoções, indispensável nessa fase de transição planetária, para que possamos permanecer neste Planeta que nos acolhe e que necessita da contribuição de cada ser nele existente para a construção da Paz, do Amor e da Sabedoria.

Mensagem da semana

Senhor,
Estamos exaustos pelos descaminhos por que optamos.
Escolhemos o desamor e tombamos na decepção e na revolta.
Assegura-nos rumos novos.
Ante o convite da ilusão, fortifica-nos para fugirmos dos atalhos e aderirmos à Verdade.
Falta-nos força e coragem para amar como deveríamos. Por isso Te rogamos que supra nossas inibições.
Encoraja-nos a zelar com carinho por aqueles que deliberadamente não nos querem bem.
Amplia-nos o discernimento no uso do equilíbrio com quantos fortalecem com amor Tua participação em nossos passos.
Jesus, ensina-nos o amor para que vivamos no coração os sublimes sentimentos que há muito louvamos na palavra e esquecemos ou não sabemos como aplicar.
Permita-nos aprender a gostar da vida e amar a nós mesmos, enaltecendo o mundo com a cooperação na Obra Excelsa do Pai e celebrando a dádiva da vida em nossos caminhos de cada dia.
Pela súplica sincera que brota de nossa alma nesta hora, de nós receba, hoje e sempre, a gratidão de quantos Te devem tanto por receber mais que merecemos do Teu inesgotável amor.
Obrigada, Senhor!

Ermance Dufaux

(Extraído do livro Escutando sentimentos / ditado pelo Espírito Ermance Dufaux; [psicografado por] Wanderley Oliveira. Belo Horizonte: Dufaux, 2006, p. 9)

Críticas, colaborações e sugestões para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..